PATRÍCIA é jornalista e assina POETA. Eu sou ANGELA, Pedagoga e assino RAMALHO (o que não deixa de ter também a sua poesia). Fico pensando como seria divino assinar "Poeta" depois do nome. Até fiz uma poesia sobre isso! Esse blog é um espaço onde brinco com as palavras, fazendo aquilo que gosto. E o que eu gosto mesmo é de fazer poesias! Portanto, embora não seja PATRÍCIA, eu sou POETA!

domingo, 4 de setembro de 2016

ESTAMOS NA REVISTA CONEXÃO LITERATURA


A edição nº 15 da Revista Conexão Literatura do mês de setembro, divulga na capa e em reportagem especial, o trabalho da A. R. Publisher Editora. 

Em entrevista concedida ao editor, Ademir Pascale, respondi questões sobre a minha mais recente experiência em produção e editoração de livros.

Há um ano no comando da editora, até aqui foram 10 (dez) livros publicados, além da implantação de um concurso literário de grande porte, a produção de duas obras coletivas bem sucedidas e a realização de duas ações do Projeto Literatura Solidária, igualmente bem sucedidas.

O balanço da produtividade da editora nesse primeiro ano indica que estamos no caminho certo. Daqui para a frente é só dar continuidade! Segue abaixo o link da reportagem!  

http://www.revistaconexaoliteratura.com.br/2016/09/disponivel-nova-edicao-da-revista.html

Segue a entrevista, na íntegra!  


“A poesia na minha vida foi marcada, desde a infância, pela presença de meu pai, um paraibano da Serra de Teixeira (PB), defensor da cultura nordestina, que era repentista, lia literatura de cordel e fazia versos como ninguém!” 

ENTREVISTA: 
Conexão Literatura: Sua paixão por literatura e serviços editoriais é nítida, algo que vem desenvolvendo desde 2010. Conte mais sobre essa paixão. 
Angela Ramalho: A poesia na minha vida foi marcada, desde a infância, pela presença de meu pai, um paraibano da Serra de Teixeira (PB), defensor da cultura nordestina, que era repentista, lia literatura de cordel e fazia versos como ninguém! Cresci vendo meu pai compor versos de improviso e admirava a facilidade com que as palavras vinham-lhe à mente, produzindo na oralidade cordéis de riquíssimo conteúdo. Essa foi minha primeira e mais forte influência na poesia e na literatura. No 3º ano do antigo primário (hoje ensino fundamental), a professora de Português solicitou aos alunos que fizessem uma redação com o tema "Mãe". Eu devia ter uns 8 a 9 anos, mais ou menos. Fiz a redação e foi um sucesso! Em casa, o texto passou “de mão em mão” e todos riram muito. Lembro-me como se fosse hoje dos comentários: diziam que o texto tinha título, parágrafo, as frases eram curtas e as ideias claras. Quando havia diálogo, eu iniciava com travessão (aquele traço que se usa para começar o discurso direto). A pontuação e acentuação estavam perfeitas, as frases começavam com letra maiúscula e a letra era “desenhada”. Como se não bastasse, encerrei o texto dizendo o que pensava sobre minha mãe. Então questionavam: como pode uma menina dessa idade ter opinião própria e escrever dessa forma? Assim, percebi muito cedo a reação que um texto escrito causa nas pessoas. Percebi também que levava jeito para escrever e não parei mais. 

Conexão Literatura: Em 2015, você montou a A.R. Publisher, que visa publicar livros e prestar serviços editoriais. Em setembro/2016 a editora completa 1 ano de existência. Durante esse tempo, quantos títulos foram lançados pela editora? 
Angela Ramalho: Em agosto/2016 contabilizamos 10 (dez) títulos pela editora, sendo duas coletâneas de nossa iniciativa (Artífices da Poesia e Antologia do Prêmio VIP de Literatura) e 08 (oito) livros de autores diversos (poesias, contos, biografias, romances). Devido aos compromissos com a 3ª FLIM (Feira Literária de Maringá), evitamos fechar contratos editoriais para início de produção em setembro, mas já temos quatro livros na lista de espera para início de outubro. 

Conexão Literatura: Qual o diferencial da A.R. Publisher? 
Angela Ramalho: A editora tem uma escritora no comando, isso já é um diferencial. Particularmente já sofri muito com editoras. Escrevo desde pequena, mas a publicação do primeiro livro autoral só foi possível em 2010. Depois de pesquisar e testar diversas editoras, observei que a maioria delas estava longe de oferecer o suporte que eu precisava. Muitos dos atendimentos não possuíam a clareza e a presteza que sempre busquei em meus contatos profissionais. Então resolvi abrir uma editora e assumir sozinha a produção de meus livros. Assim surgiu a A. R. Publisher. Ela faz a parte mais difícil para o escritor que é coordenar o projeto editorial, trazendo para si toda a responsabilidade que isso implica, ou seja, montamos o arquivo, pesquisamos e sugerimos bons profissionais e a bons preços. Mantemos linha direta com o autor a cada etapa da produção do livro. Nada se muda no texto ou no projeto editorial sem a anuência do autor. Depois de o arquivo aprovado, encaminhamos para impressão. Temos parcerias com gráficas que prestam serviços de qualidade sem cobrar uma exorbitância. As dúvidas que eu tinha quando buscava atendimento em outras editoras, esclareço-as todas pela nossa página. Envio prestação de contas de cada projeto, comparo preços de páginas, faço enquetes procurando ouvir sugestões sobre concursos, vibro quando uma coletânea me surpreende (como foi o caso da Artífices) e percebo que contagio as pessoas com meu entusiasmo. Outro diferencial é a visão que temos da nossa responsabilidade social. Pensando nisso, implantamos pela editora um projeto denominado “Literatura Solidária”, que em sua 2ª ação, possibilitou realizar o sonho de uma escritora iniciante onde, através de campanhas realizadas pelas redes sociais, conseguimos editar gratuitamente seu primeiro livro. Alguns contribuíram com dinheiro (a partir de R$ 10,00 reais) que usamos para pagar a impressão e outros com prestação de serviços (designers de capa, revisores e diagramadores prestaram serviços voluntariamente). Foi um mutirão de solidariedade literária que comoveu a todos! 

Conexão Literatura: A sua ideia inicial foi criar uma editora da qual não tivesse tantos gastos, revertendo isso na qualidade das suas edições. Conte mais sobre essa história pra gente. 
Angela Ramalho: Sozinha, eu sabia que não daria conta. Então comecei a montar um catálogo de prestadores de serviços. Trabalho com free-lancers e eu mesma os contrato. Muitos chegaram até a mim através de exaustivas pesquisas, indicações de amigos e a maioria foi testada primeiramente em meus livros, para verificar se eram realmente competentes e se eu poderia indicá-los sem medo. Os bons permaneceram e a eles juntaram-se outros. Sempre chega gente nova. Constantemente recebo e-mails de diagramadores, revisores, designers de capa e ilustradores, todos querendo prestar serviços à A. R. Publisher. Isso é bom sinal. Aqueles que oferecem preços justos e demonstram qualidade, ficam. Outros permanecem aguardando trabalhos, mas não os solicito em virtude de o valor cobrado alterar significativamente o orçamento final do livro. Não questiono o merecimento. Reconheço que uma revisão dá trabalho, mas se tenho quem faça e prefira ganhar menos e constantemente ser requisitado, considero que isso é melhor que manter um preço alto e não ter trabalho. Há pouco tempo questionei que uma instituição pagou R$ 1.000,00 na diagramação de uma coletânea editada em tamanho padrão. Há muita discrepância de preços no mercado e certos profissionais supervalorizam seus trabalhos. Na editora, o valor mais alto que paguei até hoje por uma diagramação foi R$ 200,00 (duzentos reais). Veja bem: numa única prestação de serviço a economia foi de R$ 800,00 (oitocentos reais). Imagine isso multiplicado pelas demais prestações de serviços que o livro requer (revisão, ilustração, arte de capa, impressão). No total (incluindo os serviços adicionais + a impressão), tenho editado livros hoje cujo orçamento final é inferior ao preço que eu paguei pela edição de um de meus últimos livros, lançado em 2014, quando eu ainda não tinha a editora. Além disso, não pagamos aluguel e não temos gastos trabalhistas. Toda essa economia é bem vinda! O que entra, parte é investido no trabalho da editora, para que possamos cumprir o que ela se propõe a fazer: editar com qualidade e preço justo. Outra parte é investida nos projetos, para que possamos proporcionar os prêmios estipulados nesse último concurso, por exemplo. 

Conexão Literatura: Em março desse ano a A. R. Publisher lançou uma coletânea no sistema de cotas (divisão das despesas por autor). A editora também trabalha com livros solo. Como um autor deve proceder e quais os critérios para publicar com vocês? 
Angela Ramalho: O contato é pelo e-mail da editora (arpublishereditora@gmail.com). O autor envia o arquivo de seu livro e fazemos a análise. Quando estou com tempo, eu mesma faço a leitura crítica. Não sendo possível, passo essa tarefa a outro colaborador. Fazemos um orçamento e enviamos sem compromisso. Nosso critério é que o livro tenha conteúdo, que passe uma mensagem interessante, que provoque reflexões. Não estamos à cata de bestsellers. Se surgir algum, ótimo. Mas o processo de aceitação é bem simples: encontrando um bom texto, com boas ideias, o projeto é aprovado. Tivemos somente a recusa de um original nesse primeiro ano de atendimento, por considerarmos que o texto possuía uma linguagem pesada, contaminada por excessiva carga de negativismo. A linguagem depreciativa e destrutiva provoca o mal, destrói, prejudica e não hesitamos em devolver o texto. Se a linguagem não contribuir para a evolução do ser humano, ela não leva nosso selo. Simples assim. 

Conexão Literatura: Referente a números, quantos autores já passaram pela A. R. Publisher? 
Angela Ramalho: Até agosto/2016 produzimos e editamos 08 (oito) obras autorais e duas coletâneas, uma delas envolvendo diretamente 30 (trinta) escritores e a outra envolvendo 50 (cinquenta) escritores, totalizando o envolvimento direto da A. R. Publisher com 88 escritores. Mas se considerarmos que uma dessas coletâneas (a que selecionou 50 autores), nos rendeu 700 inscrições, então podemos dizer que até o momento, passaram pela A. R. Publisher direta ou indiretamente 788 escritores. Tivemos ainda o envolvimento de escritores e prestadores de serviços nas duas ações do Projeto Literatura Solidária, coordenadas pela editora, e que atingiram cerca de 40 pessoas em cada ação. Somamos a isso o montante de adesões de escritores de todo o Brasil ao chamamento da editora para participarem de nosso estande na 3ª FLIM. Até o momento registramos o interesse de cerca de 120 escritores, mas até o final do mês de agosto acreditamos que esse número chegará a 150, resultando no envio de 1000 (mil) títulos para o estande. 

Conexão Literatura: O primeiro concurso literário da A. R. Publisher fora intitulado Prêmio VIP de Literatura, que teve a incrível façanha de contabilizar 1.100 trabalhos, entre contos e poesias, atraindo para essa iniciativa 700 escritores de todas as regiões do país. Como foi selecionar e lidar com tantos textos e autores? 
Angela Ramalho: O Prêmio VIP de Literatura foi lançado em janeiro deste ano e a obra será entregue em outubro. Foram 04 meses de inscrições (de janeiro a abril), mas serão 10 (dez) meses de trabalho intenso. Pegou-nos de surpresa a quantidade de inscritos e o montante de trabalhos enviados para análise. Inicialmente havíamos pensado em montar uma Comissão Julgadora com apenas três nomes e já tínhamos até os nomes em mente, mas diante de tantos trabalhos, tivemos que duplicar a Comissão Julgadora. Faço parte da Academia de Letras de Maringá e convidei três acadêmicos para atuarem como jurados e um deles faz mestrado em Literatura Comparada na universidade local. Este, como está comigo nessa empreitada desde o início, dei a ele uma responsabilidade maior: ser o presidente da Comissão Julgadora. Através de sua indicação, vieram mais dois professores de Mestrado da UEM e a comissão foi composta. Três julgaram os contos e três julgaram as poesias. Eu imprimi os 1.100 trabalhos e mandei apostilar de 100 em 100, separando os contos das poesias. Entreguei as apostilas aos membros da comissão para que lessem e fizessem seus apontamentos. Debatemos muito via internet, trabalhamos em finais de semana e marcamos reuniões presenciais apenas para as definições. Foram atribuídas notas de zero a dez para cada trabalho. Os que receberam notas abaixo de 6,0 foram eliminados. Na última reunião tivemos que lidar com os empates. Em muitas situações, 05 a 06 trabalhos (todos com a mesma nota), disputavam uma vaga. E dá-lhe nova leitura e reanálise! Infelizmente eram apenas 50 vagas e muita coisa boa ficou de fora. Foi doído tirar um poema ou um conto e dizer: esse não vai! Por outro lado, havia aqueles que a gente lia e dizia: esse não pode ficar de fora! Foi cansativo todo esse processo, mas resultou em muito aprendizado. As duas comissões deram show em conhecimento e competência! Importante ressaltar que todos trabalharam voluntariamente, movidos pela paixão à literatura. 

Conexão Literatura: A A. R. Publisher vem incentivando novos autores nacionais, tendo lançado recentemente o concurso literário “Jovens que escrevem”. Fale mais sobre o concurso e como os interessados deverão proceder para participar. 
Angela Ramalho: Entendo que o jovem tem uma linguagem peculiar tanto na oralidade quanto na escrita e esse é um projeto pelo qual tenho me empenhado muito. Quando quero realizar algo, consigo até antever a obra pronta. Imagino para esse projeto uma capa moderna, em que o leitor, ao visualizá- la, possa sentir o frescor da juventude. Ao lançar a ideia na página da editora, tivemos mais de 600 visualizações, muitas marcações de pessoas e compartilhamentos. Mas o Facebook muitas vezes engana. Fizemos o primeiro regulamento e vieram poucas inscrições. Deixei terminar o prazo das inscrições e nesse meio tempo fui pensando de que forma poderia reformular o regulamento, para que atraísse mais interessados. Nesta semana lançamos o 2º regulamento. Como é uma obra endereçada aos jovens, ofertamos como prêmio ao 1º colocado, a edição gratuita de uma obra de até 80 páginas, com tiragem de 100 (cem) exemplares. O prêmio inclui ainda a execução gratuita de todos os serviços adicionais dessa obra (revisão, diagramação, arte de capa, ISBN, Ficha Catalográfica, Código de Barras e os serviços gráficos). Tudo isso pensando em realizar o sonho do primeiro livro a um escritor iniciante. Ao segundo e terceiro lugares oferecemos prêmios em dinheiro (R$ 800,00 e R$ 500,00 respectivamente). O concurso abre ainda 100 (cem) vagas, sendo 50% para poesias e 50% para contos e se encerrará com a produção/edição de uma antologia onde esses 100 trabalhos serão publicados gratuitamente. O projeto é audacioso! Realizaremos gratuitamente duas obras (a antologia do concurso e a obra do vencedor) e ainda pagaremos R$ 1.300,00 de prêmios em dinheiro. Isso resultará (a preço de hoje) num investimento superior a R$ 5.000,00 (cinco mil reais). Para ajudar a cobrir parte dessas despesas, estipulamos apenas a cobrança da taxa de inscrição, no valor de R$ 20,00 (vinte reais). Se me perguntarem: Angela, você tem cinco mil reais em caixa para realizar esse projeto? Eu responderei com um sonoro NÃO! Mas eu não tinha um tostão em caixa quando lancei o Prêmio VIP de Literatura e a obra sai em outubro. Eu também não tinha grana para a obra do Projeto Literatura Solidária e a obra foi para a gráfica ontem. Meus projetos são todos assim: na cara e na coragem. E todos saem do papel, graças a Deus! E se não saem, eu faço sair, pago do bolso, me endivido e no final constato com alegria que todos deram certo!!! O regulamento do Concurso JOVENS QUE ESCREVEM está disponível na página da editora no Facebook, no meu blog pessoal (http://naosoupatriciamaissoupoeta.blogsp ot.com) e na minha página no Facebook (Escritora Angela Ramalho), mas os interessados também podem solicitá-lo por e-mail (arpublishereditora@gmail.com). 

Conexão Literatura: Você participará na 3ª FLIM - Festa Literária Internacional de Maringá, que será realizada entre os dias 13 e 18 de setembro, com um estande que priorizará a exposição, venda e lançamento de obras de escritores nacionais. Como estão os preparativos? 
Angela Ramalho: Começamos a convidar escritores pelas redes sociais para participarem conosco nessa feira há cerca de dois meses. Maringá demorou muito para ter uma feira literária. Estamos na terceira edição da FLIM e a cada ano percebemos maior empenho dos organizadores e consequentemente uma adesão maior de público. Nas duas edições anteriores, participei (em sistema de parceria), do estande da escritora Maria Cristina Vieira (outra lutadora como eu) e que também possui uma editora. Esse ano será a estreia da A. R. Publisher na FLIM. Como tudo que faço, estou entusiasmada. Anima-me sobretudo a quantidade de adesões de escritores de todo o país ao chamamento da editora para participarem de nosso estande. Até o momento estamos com 722 livros armazenados em nosso escritório e como receberemos livros até o dia 31/08 (último dia para o envio), a estimativa é que atingiremos 1000 (mil) livros, envolvendo cerca de 120 a 150 autores nacionais. Outro acontecimento que será comemorado com muita alegria é que a editora fará aniversário em plena FLIM. A feira acontecerá de 13 a 18 de setembro e a editora completará um ano em 15 de setembro. Será no estande nossa comemoração principal e para isso já encomendamos taças personalizadas e balde de gelo, pois brindaremos com champanhe esse acontecimento. Praticamente estamos com tudo organizado: providenciamos os uniformes dos que trabalharão conosco (estaremos em 04 pessoas, divididas em 3 turnos: manhã, tarde e noite). Os móveis já foram alugados, o banner da editora em tamanho grande já está pronto e alguns pôsteres das obras da editora, que farão parte da decoração, já foram encomendados. Daqui para o final do mês, faltam apenas alguns pequenos detalhes e a festa será muito bonita. Gosto de estar atrás do computador coordenando as atividades da editora, mas esse corpo a corpo das feiras literárias, o reencontro com os amigos da escrita e o contato direto com os leitores, tudo isso é apaixonante! 

Conexão Literatura: Fale sobre as novidades da A. R. Publisher e o que vem por aí. 
Angela Ramalho: Bem, dependendo do total de inscritos, o concurso JOVENS QUE ESCREVEM ficará para o início de 2017 (as inscrições encerram-se em outubro e levamos 04 meses para dar como concluída uma antologia, então a previsão é de que entregaremos as obras em fevereiro de 2017). Digo “dependendo do número de inscritos” porque se vierem poucas inscrições, não descartamos a possibilidade de reformular, pela terceira vez, o regulamento. Isso faz parte. Nunca sabemos ao certo quantas inscrições virão e esse dado é condição essencial para a viabilização do projeto. Mas confiamos que teremos mais interessados dessa vez. Em meados de janeiro de 2017 lançaremos a 2ª edição do Prêmio VIP de Literatura, que terá o mesmo formato da edição deste ano. A fórmula foi sucesso e não pretendemos mudá-la. Para o ano que vem, recebemos e já estamos trabalhando no projeto de um escritor jovem (16) anos, cuja obra é no estilo literatura fantástica. Acreditamos que esse projeto será marcante! Pensamos também em lançar em 2017 uma coletânea temática com enfoque na diversidade. O tema é atual, polêmico e necessário diante das novas demandas da sociedade em que vivemos. Até aqui já foram 04 antologias e temos que deixar espaço para os livros autorais dos escritores que nos procuram. Acredito que como expectativa para 2017, já está de bom tamanho. 

Conexão Literatura: Para os interessados, deixe aqui o endereço da sua fanpage e link da livraria da A. R. Publisher. 
Angela Ramalho: 
Fanpage: www.facebook.com/arpublishereditora 

Loja virtual: 
http://temporarioarpublishereditora.lojaintegrada.com.br/?ut m_source=buscaintegrada&utm_medium= buscaintegrada&utm_campaign=buscainte grada 

Perguntas rápidas: 
Um livro: O meu primeiro: Palavras Pedem Passagem, onde contrario Vinicius de Moraes e discordo de Fernando Pessoa. 
Um(a) autor(a): João Guimarães Rosa 
Um ator ou atriz: Marilia Pera (eterna!) 
Um filme: Perfume de Mulher (Al Pacino, fantástico), perdi a conta de quantas vezes assisti. 
Um dia especial: 01/10/1981 (nascimento de meu filho) 
Um desejo: realizado esse ano: ser avó! 

Conexão Literatura: Deseja encerrar com mais algum comentário? 
Angela Ramalho: Admiro muito Marina Colasanti e, certa vez, assisti a uma palestra onde ela dizia que um escritor deve ter foco. Que modismos vêm e vão, mas o escritor deve saber colocar-se com autenticidade. É  assim que tenho sido. 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...